biografia

  MARCÍLIA CAVALCANTE BARROS

Documentarista e indigenista brasileira, estreiou no cinema em 2007 através do concurso Petrobrás Cultural, com o curta  "Xukuru Ororubá". Atualmente segue na pré produção de seu primeiro longa, intitulado "Cosmovisões Indígenas", o filme fala sobre a mitologia  indígena feminina e a  filosofia das mulheres indígenas do nordeste, este já aprovado no edital Bahia na Tela, da Ancine e o IRDEB.

 

Desde de 2005 realiza curtas metragens em diversos formatos, dentre eles  o video poema "Comportapitalismo" e o curta "Panóptico, laboratório de poder". Dirigiu também videoclips, programas de TV e VT's para agências de publicidade.

Seu trabalho como VJ  Seλene dialoga diretamente com sua cultura e sociedade, pois acredita que uma das finalidades da arte é refletir sobre os problemas de seu tempo. Marcília Cavalcante desenvolve trabalhos como VJ desde 2007, tendo participado de eventos internacionais como VJ Torna, principal festival mundial de Vj's, e realizado projeções mapeadas nos mais diversos espaços culturais da cidade de Salvador, Rio e SP. 

No cinema nacional atuou como continuista e produtora colaborando nos longas nacionais; Cidade Baixa, A Beira do Caminho, Quincas Berro D'Agua, Capitães da Areia, Trampolim do Forte, Coleção Invisível, A Batalha de Shangri-lá, Abraço, Atrás da Sombra e Agreste.